Entenda a Alergia

Com um diagnóstico confirmado de alergia alimentar é normal surgirem dúvidas e preocupações no começo. Confira:

Dúvidas sobre APLV

Tratamento da APLV

A única forma de tratamento da APLV é a exclusão total da proteína alergênica da alimentação da criança, com prescrição de dieta substitutiva que proporcione todos os nutrientes necessários.

A primeira conduta do profissional de saúde deve ser o estímulo ao aleitamento materno, excluindo o leite e os alimentos preparados com leite de vaca ou com traços e seus derivados da dieta e suplementação de cálcio.

Na impossibilidade do aleitamento materno, o tratamento com fórmulas deve ser indicado.

As fórmulas nutricionais utilizadas no tratamento da APLV são: à base de soja, de proteína extensamente hidrolisada e à base de aminoácidos.

Fórmulas infantis à base de proteína isolada de soja - Preconiza-se sua utilização apenas nas formas IgE mediadas de alergia sem comprometimento do trato gastrintestinal, em crianças com idade superior a seis meses. Apesar de seguras em relação ao crescimento pondero-estatural e mineralização óssea de lactentes descreve-se que cerca de 10% a 15% das crianças com APLV IgE mediada podem apresentar, também, reação à soja.

Fórmulas extensamente hidrolisadas - compostas predominantemente por peptídeos provenientes da quebra das proteínas do leite de vaca (LV) como as proteínas do soro e caseína.

Fórmulas infantis à base de aminoácidos - são fórmulas onde a proteína encontra-se sob a forma de aminoácidos livres. São as únicas consideradas totalmente não alergênicas. Consensos preconizam o uso da fórmula de aminoácidos nos seguintes casos: alergias múltiplas, reações mais severas, esofagite eosinofílica, anafilaxia, FPIES (síndrome da enterocolite induzida por proteína alimentar), em caso de complementação ou desmame em casos de reação durante o aleitamento materno, deficit nutricional, reação ou recusa da fórmula extensamente hidrolisada e para um diagnóstico assertivo e rápido, com maior custo-efetividade (redução de R$ 300,00 e menos 25 dias sem sintomas). Os estudos mostram crescimento adequado de lactentes e crianças em uso de fórmula de aminoácidos.

Fórmulas de arroz - surgem como nova opção no tratamento da APLV, porém, há a necessidade de mais estudos em larga escala e em longo prazo que avaliem o crescimento e desenvolvimento adequados dos lactentes e crianças em uso dessa fórmula.

Referências

1. Koletzko S, Niggemann B, Arato A, Dias JA, Heuschkel R, Husby S, et al. Diagnostic approach and management of cow's-milk protein allergy in infants and children: ESPGHAN GI Committee practical guidelines. J Pediatr Gastroenterol Nutr. 2012;55(2):221-9.
2. Bhatia J, Greer F; American Academy of Pediatrics Committee on Nutrition. Use of soy protein-based formulas in infant feeding. Pediatrics 2008;121:1062-8.
3. Jefferson WN, Patisaul HB, Williams CJ. Reproductive consequences of developmental phytoestrogen exposure. Reproduction 2012;143:247-60.
4. Dinsdale EC, Ward WE. Early exposure to soy isoflavones and effects on reproductive health: a review of human and animal studies. Nutrients 2010;2:1156-87.
5. Adgent MA, Daniels JL, Rogan WJ, Adair L, Edwards LJ, Westreich D, et al. Early-life soy exposure and age at menarche. Paediatr Perinat Epidemiol 2012;26:163-75.
6. Cortez APB et al. Conhecimento de pediatras e nutricionistas sobre o tratamento da alergia ao leite de vaca no lactente. Rev. paul. pediatr. v.25 n.2 São Paulo jun. 2007.
7. Solé D et al. Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar: 2007. Rev. bras. alerg. imunopatol. - Vol. 31, Nº 2, 2008.
8. Morais MB, Spolidoro JV, Vieira MC, Cardoso AL, Clark O, Nishikawa A, et al. Amino acid formula as a new strategy for diagnosing cow s milk allergy in infants: is it cost-effective? J Med Econ. 2016:1-21.
9. Luyt D et al. BSACI Guideline for the diagnosis and management of cow´s milk allergy. Clin Exp Allergy 2014 44:642-672.
10. Canani RB et al. Amino Acid-based Formula in Cow's Milk Allergy: Long-term Effects on Body Growth and Protein Metabolism. JPGN _ Volume 64, Number 4, April 2017.
11. Vanderhoof J et al. Evaluation of an Amino Acid_Based Formula in Infants Not Responding to Extensively Hydrolyzed Protein Formula. JPGN _ Volume 63, Number 5, November 2016.
12. Savino F et al. 2005. Z-score of weight for age of infants with atopic dermatitis and cow's milk allergy fed with a rice-hydrolysate formula during the first two years of life. Acta Paediatr. Suppl 94:115-119.
13. Hojsak I et al. Arsenic in Rice: A Cause for Concern. JPGN. Volume 60, número 1, 2015, 142-145.
cadastre-se
no site Lápis